Enquanto Bolsonaro discursava na ONU, manifestantes petistas gritavam  “Bolsonaro não, Amazônia sim” a “Lula livre”.

Nada disso tirou, porém, o brilho do discurso de Bolsonaro na ONU.

“É uma falácia dizer que a Amazônia é um patrimônio da humanidade”, disse Bolsonaro para 150 pessoas. O presidente brasileiro também disse na ONU que não terá nova demarcação de terras indígenas no Brasil. Em uma indireta ao Raoni, cotato pro Nobel da Paz, falou Bolsonaro que “a visão de um líder indígena não representa a de todos os índios brasileiros. Muitas vezes alguns desses líderes, como o cacique Raoni, são usados como peça de manobra por governos estrangeiros na sua guerra informacional para avançar seus interesses na Amazônia. Infelizmente, algumas pessoas, de dentro e de fora do Brasil, apoiadas em ONGs, teimam em tratar e manter nossos índios como verdadeiros homens das cavernas”, disse o presidente.